Carrefour negocia compra de subsidiária do Makro no Brasil

07/02/2020

O grupo Carrefour, controlador do Atacadão, negocia a compra da operação do Makro no país, terceira maior atacadista do Brasil, com vendas anuais em torno de R$ 8 bilhões e cerca de 75 unidades locais.

 

O banco Rothschild assessora a operação, apurou o Valor.

 

Segundo duas fontes a par do assunto, o Makro busca vender por valores próximos a R$ 5 bilhões, mas o Carrefour, até novembro do ano passado, considerava o valor alto e aceitaria pagar menos de R$ 4 bilhões.

 

Por conta das diferenças em relação a preço, as negociações entre as partes acabaram perdendo força no fim de 2019. Mas os contatos teriam voltado a acontecer com maior frequência nas últimas semanas e já teriam chegado mais próximos de um acordo.

 

Últimos números mostram que o Makro no Brasil registrava prejuízo operacional e prejuízo líquido, e os múltiplos negociados nessas transações consideram esses indicadores — em 2017, o prejuízo antes de receitas e despesas financeiras foi de R$ 110 milhões, segundo balanço publicado pela rede. A perda líquida foi de R$ 115 milhões.

 

Se a operação for concluída, o Atacadão e Makro, juntos, atingiriam vendas brutas anuais de cerca de R$ 50 bilhões (com base em números de 2019), distanciando-se mais do concorrente Assaí, controlado pelo Grupo Pão de Açúcar. No ano passado, as vendas do Assaí foram de R$ 30 bilhões. Com o Makro, o Carrefour chegaria a uma receita bruta anual de R$70 bilhões.

 

De acordo com uma segunda fonte, durante as conversas cogitou-se negociar uma parte das lojas do Makro, mas há informações no setor que o grupo holandês prefere vender toda a operação.

 

Desde o ano passado, o Makro mudou o seu modelo de operação, passando a focar os negócios no “atacarejo”, ampliando com isso a venda de mercadorias a consumidores finais, e não apenas para pessoas jurídicas, mas os resultados obtidos, apesar de algumas melhorias, teriam ficado abaixo do esperado.

 

Na última década, os grandes grupos varejistas já tentaram adquirir o Makro, como o próprio GPA, no período da gestão de Abílio Diniz — hoje, acionista do Carrefour. Mas os holandeses resistiam às propostas, pelo avanço da operação entre os anos 90 e 2000.

 

Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link https://valor.globo.com/empresas/noticia/2020/02/06/carrefour-negocia-compra-de-subsidiria-do-makro-no-brasil.ghtml ou as ferramentas oferecidas na página.

 

Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor (falecom@valor.com.br). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.

 

Fonte: Valor Econômico